Sobre

NOSSA VISÃO

Por que fazer teatro? Para quem? Qual a nossa importância como fazedores de cultura? Essa são questões que nos fazemos diariamente exercendo o nosso ofício. Por isso, queremos novos desafios.

 

   Há aqueles que enxergam como utopia acreditar que uma obra de arte possa ser completamente acessível para todos. Os Ciclistas Bonequeiros são  pessoas que se preocupam com uma sociedade em que pessoas não sejam privadas de andar pelos espaços públicos, de sorrir ou de sonhar, afinal de contas, para nós, todo mundo tem o direito de entender uma história e seu contexto, ter acesso a histórias e poder aprender se divertindo.

 

 O grupo nasceu das diversas propostas da Cia Catraca do Riso, que desde 2008 vem construindo um trabalho de pesquisa e artes cênicas, tendo como casa a região do Campo Limpo, zona de São Paulo. Uma de suas marcas é a adaptação espacial, tendo se apresentado em diversas casas de cultura,  Associações como a AMJ Piracuama (Campo Limpo) a Casa Amarela, o Paço Cultural Júlio Guerra (Santo Amaro), assim como CEUs e as ruas da cidade. Mas foi no trabalho de rua que adquiriu sua identidade, e encontrou definição na arte como meio de transformação social, o que acabou se tornando a diretriz do grupo.

A ação inicial em cima de uma bicicleta foi a do teatro lambe-lambe. Foram várias temáticas como "cultura popular", "Liberdade de pensamento", "Macunaíma", "Paulo Eiró" e "Circo" circulando por parques e praças e sendo apresentados para uma pessoa por vez.  

Além de apresentações na rua, fizemos o seguinte trajeto:

- 2018 - Circuito Municipal de Cultura;

Trilogia Circo no Sesc Berioga, Trilogia Circo no Sesc Taubaté

- 2017 - Virada Cultural SP

 

- Em 2013 o projeto foi contemplado pelo Edital do programa VAI com atividades na periferia paulistana. Inspirados na técnica oriental de contação de histórias o grupo realiza contações com mini teatros sob bicicletas.  

- Em 2014 o grupo fez parte do Circuito Sesc;

- Em 2015 o grupo fez parte das viradas culturais de São Paulo e Minas Gerais e estreou o Triciclo das histórias com o projeto "literatura postal"

- Em 2016 O grupo realiza uma mostra de seu repertório no centro de São Paulo no projeto “Paulista aberta”, na praça do ciclista, passando o chapéu. 

- Em 2017 a ação "Literatura Postal" virou o TCC de Gustavo Guimarães Gonçalves.

- Em 2018 o "Triciclo culinário" sai do papel e conta a história da tapioca na primeira mostra de teatro em trânsito. O literatura Postal - Triciclo das histórias e teatro lambe- lambe "Trilogia circo" fizeram parte da virada cultural. 

 

EQUIPE: 

Gustavo Guimarães Gonçalves

Drt:  0035510

 

Formado em humor e direção teatral pela SP Escola de teatro, atua profissionalmente desde 2008, quando fundou a Cia Catraca do Riso. No mesmo ano a cia foi contemplada com o prêmio “Agente Jovem de Cultura” idealizado pelo Governo Federal.

Em 2012 estreou o projeto “Ciclistas Bonequeiros”, realizado em parques da cidade de São Paulo, que consistiu em breves apresentações (de 3 a 5 muunutos) para uma pessoa por vês. O projeto explorava a prática do teatro lambre-lembe e trabalhava variadas temáticas, como  a cultura popular, Liberdade de Pensamento e até a apresentação da obra e vida do poeta Paulo Eiró. No ano de 2013 e 2014 o projeto circulou pelo Parque Santo Dias, Parque da Luz, Parque Ibirapuera, Parque Piqueri, Parque Vila Lobos, praça Roosevelt, Satyrianas, Baixo Centro, Minhocão.

Foi idealizador, dramaturgo e diretor de “Palhaços 3D”, contemplado pelo programa Vai da Secretaria Municipal de Cultura. O projeto, que circulou durante o ano de 2014, envolvia Máscara do Palhaço, os esquetes clássicos dos palhaços Circenses apresentadas em formato de Peça.

Foi Proponente e Diretor do Projeto “Relembrando Paulo Eiró”Contemplado pelo Edital do Programa “Vai” da prefeitura da Cidade de São Paulo. Pesquisar o poeta precursor de textos abolicionistas e Republicanos e demonstrar essa pesquisa de forma artística tanto com uma peça quanto com um documentário foi o meu objetivo e que deu muito certo, resultou nos trabalhos: “Eiró, a vida entre as obras”, Direção e produção do espetáculo teatral, “Diga-me Paulo Eiró”, Direção, Roteiro e produção de um Documentário, 2011.Como dramaturgo seus principais trabalhos foram ““A terra dos Palhaços” Obra inspirada no livro “O Barbeiro Anédes” de Julio Guerra; “O Galo”, feito para o teatro de bonecos, com orientação de Luiz André, diretor do Grupo Sobrevento, adaptação do conto “O Galo”; “A Terra estrelada”,  projeto teatro para jovens no Clube da Turma M’Boi Mirim, 2009 ; “Chorume”, peça filmada no projeto Teatro para Alguém, 2008.

Como ator participou dos espetáculos: Não vim no mundo para ser pedra”, participação como ator colaborador, adaptação dos textos “Clã do Jabuti” e “Macunaíma” de Mário de Andrade com o grupo Clã do Jabuti, 2011;“Macunaíma”, participação como ator colaborador, adaptação do texto Macunaíma de Mário de Andrade, 2010;“O Inspetor Geral”, participação como ator colaborador, adaptação do texto de Nicolai Gogol, 2009. (Peça montada na SP escola de teatro); “O filho” ,preparador de elenco do curta metragem com direção Rogério Trajano _ Conclusão do Curso de Cinema Digital da escola Melies de Cinema e animação/2009; “Quem é” ,participação como ator, direcão de Fernanda Jaber – Cena cômica no Teatro para Alguém, teatro via internet/2008; “O bêbado e o Artista”, participação como ator no curta metragem de conclusão dos alunos da escola Melies/2008; “O louco do viaduto” _ participação como ator no programa Direções, dirigido por Lili Café na TV Cultura/ 2007“; “Arena Conta Zumbi”, participação como ator, texto deAugusto Boal e Guarnieri, direção: Amauri Falseti, gênero musical/ 2009 ; “O primeiro vôo de Ícaro”, participação como ator no Projeto Conexões , texto de Luiz Alberto de Abreu, direção: Amauri Falseti, gênero comédia, 2008/09; “Sampa–Ópera-Samba”, participação como ator, roteiro e dramaturgia de Cristine Röhrig, direção artística de Amauri Falseti, gênero musical, 2008; “Fausto” , participação como ator com adaptação de Cristine Röring, gênero drama, 2007; “Treta no Jardim”, participação como ator no Projeto Conexões com texto do inglês David Farr , gênero comédia, 2007; “Marchemoi” participação como ator na adaptação da obra “Clarabóia sem luar” de Edvard Stuback, direção  de Amauri Falseti, gênero drama, 2006; “Honestamente”, participação como ator, texto com livre adaptação de dois contos de Monteiro Lobato “O fisco” e “Um Homem Honesto” elaborada pelo Núcleo Suspeito da TUSP sob a coordenação de Cristine Röhrig, gênero comédia, 2005; “O Prodígio do Mundo Ocidental” participação como ator com texto de John M. Singe e direção de Flávio Porto, gênero comédia, 2004 ; “Fatzer” , participação como ator com texto de B.Brecht, adaptado e dirigido por Flávio Porto, gênero drama, 2004 ; “A loja de bonecos” com o Grupo Sete Faces e direção Paulo Queiroz Peres. Peça infanto-juvenil, 2006

Bruna Burkert

Formada em Letras, é especialista em Acessibilidade Cultural pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em que0 participou do projeto de acessibilização do Museu da Geodiversidade e desenvolveu um mapeamento sobre acessibilidade na Rede de Pontos de Cultura de São Paulo.

Desde 2912 atua em projetos sócio culturais, que envolvam as vertentes da literatura e teatro.

Atuou na peça de teatro “Capitu Olhos de Mar”, projeto que promoveu 50 apresentações em escolas públicas do estado em 2013 e 2014. Desde 2014 faz parte do grupo Cia Catraca do Riso, atuando nos projetos Literatura Postal, Ciclistas Bonequeiros e 360Giros.

Desde 2013 atua no Ponto de Cultura Novo Trem das Onze como oficineira e coordenadora.

Marisa Silva

Formação Profissional: - Oficina teatral de Ribeirão Pires- 2006 á 2009 -Técnico Ator no SENAC da lapa Scipão de São Paulo- 2008 e 20009. - Humor na SP escola de teatro- centro de formação das artes do palco- 2010 e 2011 Formação complementar: -Perna-de-pau, malabares- casa de cultura Amácio Mazzaropi; Ginástica acrobática: equilíbrio, rolamento e salto- Clube escola Tatuapé; Oficina de teatro: Estético - surrealismo, infantil, clown, teatro de rua; Teatro de Artes integradas: Interpretação dança músicas populares- Tendal da Lapa; Oficina de Iniciação a Linguagem do Clown- Amácio Mazzaropi; Oficina de circo-Tendal da lapa; Intervenção clawnesca com Suzana Aragão- Amacio Mazzarop-2011; Oficina de bufão-Amacio Mazzarop-2011; Oficina de voz-As meninas do conto-2011; Teatro de bonecos-Sobrevento-2010; Curso de mascaras com Cida Almeida e Sofia Papo- SP escola de teatro, 2012; Oficina de Mascara neutra- Esio Maganhões,2012; Curso do Melodrama do Picadeiro,Vic Militello-SP escola de teatro, 2011. Atuação profissional -Teatro escola com o grupo Aparte ação teatral desde 2009 á 2013;  Divulgação de teatro e empresas com personagens desde 2009; 2012 a 2016 apresentações do Ciclistas Bonequeiros em Sesc,Ceus,praças e bibliotecas.

André Rosa